terça-feira, 30 de setembro de 2014

Eu espero



      Espero que a força de tudo aquilo que me dói não me torne cega para tudo aquilo que me acaricia a alma. Que sempre que a vida correr de modo ferozmente acelerado, eu consiga encontrar motivos para respirar com a calma que eu preciso. Que quando a escuridão de algumas fases encobrir o brilho do que eu acredito, que eu me permita enxergar alguma brecha de luz nos menores recantos das minhas convicções.
      Espero que as velhas frustrações não me façam cética para as novas tentativas. Que os medos mais arrebatadores não me privem das coragens que já conquistei. Que as feridas que meus pés carregam não me impeçam de preferir andar com os pés descalços e o passo sereno.
      Espero que eu não me esconda da solidão, sabendo que ninguém mais que ela pode me levar para passear por locais de mim que ainda não conheço. Que o convívio com as responsabilidades não seja mais intenso que o convívio com o amor. E que eu tenha sabedoria suficiente para saber escolher o que vale a pena reverenciar.
      Espero que eu não conceda aos cansaços um tamanho maior do que eles merecem. Que os períodos de exaustão do corpo não se transformem em exaustão da alma e me levem para longe do que eu tenho de mais bonito. Que eu me aproprie cada vez mais de tudo que é meu, sem esquecer do quanto preciso dos outros.
      Espero que, diante das dores inevitáveis, eu não perca a confiança nos próximos sorrisos. Que eu reconheça que aprender é o grande privilégio de quem está vivo. Que riqueza é conseguir levar bagagens mais leves e sentimentos mais simples.
      Espero que eu saiba preservar ao meu lado as pessoas que enxergam a vida com entusiasmo. Que eu entenda que, quase sempre, insistir em ser melhor que os outros é insistir em ser pior para mim. Que ser bondoso e grato é a única maneira genuína de ter fé.
      Espero que eu não me esqueça de que liberdade e responsabilidade andam juntas. Que os ventos mais fortes podem me amedrontar, mas jamais destruir o que eu souber proteger. E que eu tenha a coragem de me enfrentar das formas mais ousadas, até lapidar o que me faz verdadeiramente feliz, apesar de todos os meus pedaços que ficarem para trás.
      Espero que seja assim...  


Um comentário:

  1. João Melo de Souza4 de outubro de 2014 05:22

    E eu espero que você viva por muito tempo. Você é uma iluminada, menina!

    ResponderExcluir